Conceitos Financeiros e Contábeis

A Diferença entre Ativos, Custos e Despesas no Orçamento Empresarial

 

Ativo Custo e Despesa

Fonte da Imagem: https://www.pexels.com/

Na elaboração de um orçamento empresarial, diversos conceitos devem ser dominados para que as regras de projeção sejam adequadamente elaboradas, entre eles, a diferença entre Ativos, Custos e Despesas.

Para compreendê-los, inicialmente, deve-se apresentar a distinção entre gastos e desembolsos:

  • Gastos: Podem ser considerados como consumos de recursos financeiros de uma empresa para a execução de sua atividade, independentemente de seu momento de pagamento. Desta forma, existem os mais diversos gastos que podem ser citados como exemplos, tais como, serviços de telefonia, honorários da diretoria, consumo de energia elétrica, etc.;
  • Desembolsos: São os pagamentos de bens ou serviços. Deve-se ressaltar que o momento de ocorrência de um desembolso pode não ser o mesmo de um gasto. Se uma empresa consome energia elétrica em janeiro e o seu pagamento é efetuado em fevereiro, o gasto ocorre no primeiro mês enquanto o desembolso no segundo.

Os diversos tipos de gastos possíveis de serem realizados por uma empresa podem ser classificados como:

  • Custos: São todos os gastos realizados pela empresa com o objetivo de constituição de seu produto ou serviço. Como exemplo pode-se citar o consumo de matéria prima para a fabricação ou os salários de consultores dedicados à execução de um projeto em uma empresa de tecnologia;
  • Despesas: São os gastos realizados com o objetivo de obtenção de receita, contribuindo para a evolução do negócio, mas sem estarem relacionados à fabricação do produto ou prestação do serviço. Alguns exemplos podem ser os gastos com propaganda e o aluguel do escritório de uma área administrativa em uma empresa que explore a atividade de fabricação de produtos;
  • Ativos: São os bens e direitos, controlados pela empresa, avaliáveis financeiramente e que gerem benefícios presentes ou futuros. Bens podem ser classificados com tangíveis (máquinas, estoques, terrenos, etc.) ou intangíveis (marcas, patentes, direitos de uso, etc.). Uma das formas de compreender os direitos é como sendo bens da empresa que estejam temporariamente sobre posse de terceiros, tais como, contas a receber.

A compreensão destes três conceitos é de grande importância, tanto para a análise gerencial de um negócio quanto para a correta implantação de um modelo orçamentário devido à existência de diferenças nos processos a serem seguidos até seus reconhecimentos na Demonstração de Resultado do Exercício.

Quando um gasto é considerado como despesa, em geral, há uma associação direta com o período em que é consumido, sendo lançado na Demonstração de Resultado do Exercício, reduzindo o seu lucro. Por outro lado, em uma fábrica, os custos estão relacionados ao processo produtivo e os recursos consumidos nesta atividade passam a incorporar o produto, gerando estoque. Neste caso, se não houver venda, não há qualquer impacto na DRE.

A segregação dos gastos como custos e despesas é muito importante para a gestão de um negócio, principalmente com relação à análise gerencial sobre o lucro bruto e a adequada estruturação de seus gastos.

Da mesma forma que os custos em empresas industriais, quando um gasto é considerado como ativo, não impacta diretamente a demonstração de resultado do exercício, pois os seus valores são registrados no Balanço Patrimonial.

Por outro lado,  estes gastos podem ter seu desembolso imediato (impactando a situação de caixa da empresa) mas sem gerar qualquer influência momentânea no resultado do negócio pois seu reconhecimento será futuro, ou seja, através da realização de consumo, depreciação, amortização, exaustão ou perda.

Estas diferenças na influência dos demonstrativos contábeis é um ponto importante a ser analisado pois a classificação de algo como custo, despesa ou ativo pode influenciar em diversos indicadores, tais como o EBITDA ou EVA®, bem como, em avaliações de desempenho de gestores.

Deve-se observar que, devido à natureza de classificação contábil de perdas, caso seja possível elaborar uma previsão para os eventos, normalmente estes serão considerados como custo no orçamento empresarial.

Existem diversos exemplos de fatos geradores de transferências dos valores de ativos para a Demonstração de Resultado, tais como:

  • Venda de estoque: a aquisição de produtos para revenda gera um ativo classificado como estoque. A sua venda faz com que seu valor seja transferido para a DRE como custo, seguindo o método de movimentação de estoque adotado;
  • Prêmio de seguros de uma área administrativa: caso a empresa tenha pago integralmente, no início do ano, um prêmio por seguro anual de uma área administrativa, este deve ser reconhecido como despesa durante cada um dos meses do contrato. Antes, o valor do prêmio é registrado como ativo, pois trata-se de uma despesa não incorrida.
  • Incêndio no estoque: para seguir o mesmo exemplo, imagine que o estoque de produtos para revenda tenha sido atingido por um incêndio, ficando totalmente inutilizado. Nesta situação, o seu valor deve ser reconhecido como perda contábil em virtude da anormalidade e imprevisibilidade do evento ocorrido.

Como se pode observar, na elaboração do orçamento empresarial, a classificação de um gasto como ativo tem como consequência o desenvolvimento de regras diferentes dos custos ou despesas.

De uma maneira geral, o seguinte diagrama representa a diferença no comportamento a ser seguido para a criação das regras orçamentárias, considerando uma empresa industrial:

Ativo Custo e Despesa

 

Sobre o autor:

Louremir Reinaldo Jeronimo é  Doutor em Administração de Empresas pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas – FGV EAESP. Professor convidado dos cursos de MBA do FGV Educação Executiva e FGV In Company (Saiba mais)

 

Artigos relacionados:

A relação dos conceitos de Custos, Despesas e Investimentos com a avaliação de desempenho empresarial

Custos e Despesas na DRE – Algumas análises gerenciais

EBITDA – Um indicador global para avaliação de desempenho de empresas e gestores

Você sabe o que é Economic Value Added – EVA®?

A Projeção de Perdas no Orçamento Empresarial

Por que o critério de movimentação contábil PEPS geralmente não é utilizado?

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s